Julgamentos na psicoterapia

duas pessoas conversando e tomando café

Muitas pessoas — em especial aquelas que atendo — perguntam-me sobre os julgamentos que um terapeuta faz dos seus pacientes. Quando respondo que não fico fazendo julgamentos da maneira que a pessoa imagina, isso gera uma certa desconfiança. O julgamento sobre o qual está se discutindo, nesses momentos, é um julgamento moral, ou seja, uma avaliação do que é certo ou errado. A principal preocupação das pessoas é saber se a postura de não julgar do terapeuta não é falsa e como eu lido quando o comportamento ou as ideias de uma pessoa atendida destoam das minhas. 

Acho que esse é um questionamento muito válido. Afinal de contas, quando as pessoas chegam num contexto de psicoterapia, elas quase sempre esperam os mesmos tipos de julgamentos aos quais estão sujeitas em outras situações. Além disso, acham muito difícil que uma pessoa, por mais neutra que pareça, não esteja, lá no fundo, tecendo uma série de avaliações sobre se o que a pessoa faz ou pensa é ou não adequado. Muitas vezes elas imaginam que o terapeuta esteja fazendo julgamentos que, na verdade, são elas mesmas que estão fazendo.

Por incrível que pareça, a postura de não julgar moralmente é sim possível e acaba sendo cada vez mais natural para o terapeuta com o tempo. Em psicologia comportamental, se dá o nome para essa postura de audiência não punitiva. A ideia é que o terapeuta seja capaz de ouvir sem gerar qualquer consequência negativa para a fala da pessoa que está sendo atendida. Pois, só assim, ela será capaz de se sentir realmente à vontade para trazer todos os conteúdos que julgar relevantes, em especial aqueles que ela não pode falar com outras pessoas pelo receio do julgamento. Esses conteúdos podem justamente ser os mais importantes no processo terapêutico.

Naturalmente, para que a pessoa se sinta assim, ela precisa ter certeza de que a postura de não julgamento por parte do terapeuta é de fato genuína. Eu geralmente argumento que ela é sim genuína, por alguns motivos. O primeiro deles é que, quando uma pessoa chega para a terapia, nós estamos muito preocupados em entendê-la. E entendê-la de uma maneira humana e técnica, utilizando o referencial teórico de base do profissional. No caso da psicologia comportamental, entendemos que o que a pessoa pensa e faz deriva de incontáveis variáveis nos níveis biológico, social e de história de vida. Então, nos momentos iniciais da terapia, estamos buscando identificar algumas peças desse enorme quebra-cabeças que nos faça ver o sentido na maneira com que aquela pessoa age ou pensa. Ao montarmos essa narrativa, observando a pessoa de perto, entendemos que o que a pessoa é sempre faz sentido. Se não faz sentido, é porque não olhamos de perto o suficiente, ou não temos informações suficientes. Qualquer julgamento moral seria superficial, irrelevante e até um obstáculo para esse processo. 

O outro motivo pelo qual não se julga é porque estamos ocupados com o sofrimento da pessoa. Sempre enxergamos o sofrimento como legítimo, por mais banal ou ilógico que superficialmente poderia parecer. A preocupação em acolher e apoiar é incompatível com uma postura de julgamento. A psicoterapia deve ser um espaço de compreensão, respeito e acolhimento. Se o profissional realmente acredita nisso, sua postura natural será de empatia.

Entretanto, nós, psicólogos, podemos fazer outros tipos de avaliação. Podemos, por exemplo, falar de uma avaliação funcional, tendo como base os próprios valores e princípios da pessoa atendida. Vamos supor que alguém, em terapia, diga que busca uma vida mais autônoma e tenha isso como valor. O terapeuta, por sua vez, observa que essa pessoa se comporta de forma a aumentar ou manter a sua dependência nas relações. Nesse caso, ele pode fazer uma avaliação tendo como base essa discrepância: “veja, você me disse que busca uma vida mais autônoma. Porém, essa e aquela atitude colocam você numa posição de mais dependência nesses contextos. Você concorda com isso? O que acha de tentarmos entender melhor o que está acontecendo?” Esse não é um julgamento moral — o terapeuta não está falando sobre certo ou errado. Está apenas fazendo um apontamento com base no que a própria pessoa trouxe. A partir daí, a pessoa atendida pode refletir e tomar decisões com mais consciência, com apoio do terapeuta.

No meu caso, vejo que há momentos em que lanço mão de algo que podemos chamar de um julgamento clínico, em situações em que há riscos relacionados à saúde mental. Quando uma pessoa, por exemplo, está muito deprimida, eu posso apontar que o seu quadro não é bom e que atitudes precisam ser tomadas. Do contrário, ela poderá oferecer risco para si ou para os outros. Nessas situações, ainda não é um julgamento moral: é uma avaliação técnica com base na psicopatologia — tomando os devidos cuidados, pois a psicopatologia pode ser um tanto quanto moralista, mas isso é tema para outra conversa. Quando a pessoa pode não ter clareza da gravidade da sua situação, sinto que é uma postura de cuidado e responsabilidade dizer que ela precisa, por exemplo, de mais cuidados ou condutas específicas. Isso sem perder de vista a compreensão e a empatia.

Às vezes as pessoas, ainda assim, perguntam sobre como é atender alguém que tenha opiniões muito diferentes das minhas. Voltando à compreensão de que aquilo que uma pessoa é e pensa se origina de diversos aspectos, em especial sua história de vida, é possível não só ver a opinião da pessoa como resultado disso tudo como também a minha própria. Só faço o que faço e penso o que penso por conta da minha própria história. Se as circunstâncias fossem diferentes, eu seria diferente. Isso torna possível um distanciamento em relação às ideias que permite atender quem pensa diferente, na medida que nos mantém próximos emocionalmente da pessoa. Entretanto, é possível que discrepâncias muito significativas tornem essa postura muito difícil. Na minha experiência isso é raro, e, quando acontece, o processo terapêutico não vai muito longe. O “santo não bate” e naturalmente cada um segue o seu caminho.

Algo que me anima muito em ser um psicoterapeuta é poder conviver e estar próximo de pessoas muito diferentes de mim e diferentes entre si. De diferentes idades, etnias, origens, níveis socioeconômicos, posições políticas, orientações sexuais etc., cada uma com uma multiplicidade de perspectivas e conteúdos. Isso só é possível por conta dessa postura genuína em que o julgamento moral não aparece. Quando conseguimos olhar para alguém além do julgamento, com base na compreensão e na empatia, sempre vamos ter uma experiência enriquecedora de intimidade com o outro. É essa forma distinta de se relacionar que torna o espaço da psicoterapia algo único.

Foto: Priscilla Du Preez

Os problemas com o conceito de autocuidado

O conceito de autocuidado surgiu no contexto da saúde em meados do século passado. Ele era voltado para pacientes severamente comprometidos que, sob direcionamento de um profissional de saúde, poderiam realizar exercícios e outras atividades de maneira autônoma a fim de aprimorar sua condição. Já nos anos 60 e 70, o termo foi apropriado por movimentos em defesa dos direitos das mulheres e de pessoas pretas, sendo a ele atribuído uma conotação política. A ideia era responder com cuidado próprio a uma medicina que era vista como paternalista, racista e sexista, tendo sido disseminada em especial nas comunidades de mulheres negras nos Estados Unidos¹.

Ter autonomia para cuidar da própria saúde é um passo necessário, quando em oposição a um sistema que adoece. Entretanto, esses mesmos sistemas capitalistas neoliberais adoecedores têm também a capacidade de cooptar para a sua lógica tudo que surge dentro deles, inclusive as iniciativas que se contrapõem a seu funcionamento. Com o tempo, a ideia de autocuidado deixou de ser um ato de resistência para se tornar um incentivo para o consumo e uma forma de controle.

Frequentemente, a ideia de autocuidado está associada à de bem-estar ou de qualidade de vida. Embora pareçam positivos, esses conceitos dependem muito de como os vemos. Na forma em que eles são geralmente apresentados, eles partem de alguns pressupostos ocultos: a) é possível a qualquer pessoa estar bem, sentir-se bem, ser “feliz”; b) atingir esse estado é de total responsabilidade do indivíduo, não possuindo nenhuma relação com contextos sociais, econômicos e políticos; c) o autocuidado e o bem-estar requerem o consumo de produtos e serviços. O que está embutido na apresentação atual do autocuidado é a privatização do estresse, termo cunhado por Mark Fisher², em que ele descreve como na lógica neoliberal são imputados ao indivíduo responsabilidades e sofrimentos que são decorrentes do modelo estrutural em que ele se situa. Basicamente, nossa sociedade cria a doença e vende a cura, deixando esses processos ocultos. Nessa perspectiva, se você não está bem, é porque está fazendo algo errado.

Isso leva a um efeito que é observado muito frequentemente em sessões de psicoterapia durante a pandemia: culpar-se pelo próprio sofrimento. Apesar de estarmos numa situação de calamidade pública, privação de contato social, medo da morte, desemprego para alguns e trabalho em excesso para outros, as pessoas ainda acreditam que estão fazendo algo errado quando se sentem mal. Ou seja, a privatização do estresse foi bem sucedida. Já introjetamos o chefe autoritário que nos condena quando “fracassamos” na empreitada de estar bem. E é justamente por isso que, com o perdão do trocadilho, temos que ter cuidado com a ideia de autocuidado.

Num artigo³ que aborda preliminarmente a relação entre o isolamento social e a saúde mental, encontramos uma compilação das medidas que vem sendo empregadas nesse sentido. Entre perspectivas importantes no que tange às populações mais vulneráveis, há também recomendações que têm sido feitas por instituições e profissionais de saúde nesse momento, como: 

  • evitar (…) desinformação e o consumo de notícias sensacionalistas; evitar igualmente os excessos de informação;
  • evitar o ócio, mas também a falta de pausas e descansos no home office;
  • organizar uma rotina que equilibre atenção a si, ao trabalho e à família;
  • manter atividades físicas, em ambientes protegidos ou em espaços abertos sem aglomerações;
  • praticar atividades de relaxamento e meditação;
  • a organização de uma agenda que equilibre horários de estudos e tempo para brincar, evitando excessos de eletrônicos e internet (no caso de crianças);
  • manejo cuidadoso, pelos pais, de características típicas que podem se exacerbar neste período, como as condutas oposicionistas e o retraimento no quarto (no caso de adolescentes)

Ou seja, prega-se uma maneira correta de viver que, na minha experiência do consultório, tem trazido muito mais sofrimento do que alívio. Vejo essas recomendações como uma nova forma de moralismo disfarçada de preocupação com a saúde, na medida em que ignora contextos e atribui ao indivíduo todo o peso de manejar sua saúde mental.

As pessoas já estão naturalmente estressadas e ainda precisam dar conta de uma lista de recomendações para sentirem que estão “lidando” de forma adequada com a situação. Isso leva a uma multiplicação do sofrimento, em que camadas de dor se sobrepõem (a culpa por estar mal, vergonha por sentir desânimo, e assim por diante). 

Infelizmente, essa é uma lógica que pode acabar permeando, também, a psicoterapia. Quando ela tem como pressupostos que a sua função é adequar as pessoas à circunstâncias violentas ou resolver os efeitos de problemas estruturais como se eles estivessem ao alcance do indivíduo, ela acaba acentuando esse sofrimento. Os psicólogos, muitas vezes bem intencionados e sem clareza de todos os aspectos envolvidos nessa lógica, endossam essa perspectiva. Além disso, eles também lucram com a cultura do autocuidado e do bem-estar como consumo de serviços. 

Eu não quero dizer que as atitudes de autocuidado sejam ruins. Muito pelo contrário, elas são essenciais para conseguirmos tolerar o presente estado das coisas. No entanto, é preciso, em primeiro lugar, contextualizar muito bem esses comportamentos. Nessa perspectiva, o autocuidado envolve utilizar todos os recursos possíveis para amenizar o impacto de um contexto social que não é culpa da pessoa e nem está sob controle dela. É uma estratégia de sobrevivência a uma situação hostil. E a falta de autocuidado não deve ser usada para responsabilizar a pessoa em relação aos efeitos que ela sofre por viver nesse contexto. Muitas vezes a pessoa, depois de cumprir com todas as exigências do emprego e da casa, pode não ter condições, tempo ou ânimo para seguir todas as recomendações sobre como viver que aparecem nos jornais e redes sociais. 

Em segundo lugar, a pessoa deve ter autonomia para determinar quais recursos utilizar e da forma que bem entender. Ela deve sempre ver com desconfiança as recomendações que recebe. Quais são as motivações de quem faz essas recomendações? Por exemplo, é perversão pura quando uma empresa recomenda aos seus funcionários aulas de ioga ou meditação enquanto exige jornadas de trabalho de 12 horas. A empresa sabe que está adoecendo seus funcionários, mas não realiza nenhum tipo de mudança estrutural que realmente promoveria saúde (ou melhor, evitaria doenças).

O autocuidado faz sentido quando é realizado de forma autônoma, quando se tem consciência de que ele é uma estratégia de sobrevivência que não vai resolver os problemas porque os problemas são estruturais e não estão no alcance da pessoa. Devemos praticá-lo com a clareza de que se vivêssemos num modelo social e econômico mais humano, ele não seria necessário.

Referências

  1. Harris, A. (2017). A history of self-care. http://www.slate.com/articles/arts/culturebox/2017/04/the_history_of_self_care.html
  2. Fisher, M. (2020). Realismo capitalista: É mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo? Autonomia Literária.
  3. Lima, R. C. (2020). Distanciamento e isolamento sociais pela Covid-19 no Brasil: impactos na saúde mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 30(2), e300214. Epub July 24, 2020. https://dx.doi.org/10.1590/s0103-73312020300214

Foto: Arif Riyanto

O templo inacabado

Quando ainda era um jovem estudante, o mestre Tan-Tan viajava todos os anos para visitar um templo em construção. A cada visita, frustrava-se por ver que a obra não avançava. Avistavam-se ferramentas, carrinhos de pedras e cimento, paredes incompletas e superfícies sem pintura. Depois de inúmeras viagens, desistiu de visitar o templo.

Já no fim de sua vida, Tan-Tan lembrou-se do templo e foi visitá-lo, acompanhado de um monge noviço que estudava com ele. Em todos aqueles anos, praticamente nada havia mudado. Ferramentas, pedras, madeira e pouca diferença no aspecto da construção. Tan-Tan olhou para o templo com os olhos marejados e um sorriso. O monge perguntou:

— Mestre, porque choras e sorri ao mesmo tempo?
— Estou emocionado porque não esperava que fosse ver a beleza desse templo ainda durante minha vida.
Confuso, olhando para o estado de coisas à sua volta, o monge inquiriu:
— Não entendo, mestre. O templo parece tão inacabado quanto o senhor havia me descrito.
— É verdade, meu jovem e querido discípulo. Só agora eu pude ver que o que estava inacabado era eu mesmo. Já não há mais obstáculos nos meus olhos. Posso finalmente apreender a beleza do templo, que sempre esteve aqui para ser desfrutada.

Foto por Zhiyue Xu.