Onde você busca a felicidade?

Hamster in a wheelVocê já viu um rato andando numa roda como esse aí do lado? Não importa o quão rápido ele corra, ele nunca sairá do lugar. Talvez você se surpreenda em saber que alguns pesquisadores acreditam que a felicidade e o bem estar funcionem de forma semelhante.

Brickman e Campbell (1971) criaram a teoria da “esteira hedônica”, ou seja, uma ideia de que não importa o que aconteça na sua vida, o seu nível de felicidade sempre voltará para mais ou menos o mesmo lugar. Você pode adquirir alguma deficiência física ou ganhar na loteria, mas depois de algum tempo, seu nível de satisfação será o mesmo de antes desse evento acontecer.

Uma coisa que costumamos fazer com frequência é condicionar a nossa felicidade a um evento futuro. Geralmente pensamos da seguinte forma:

Serei feliz quando…
…encontrar aquela pessoa especial
…conseguir um novo emprego
…mudar de cidade
…ganhar mais dinheiro

Buscamos, então, atingir esses objetivos, que nos trará o tão sonhado bem estar. E o que percebemos? Que, na maior parte das vezes, mesmo quando conseguimos o que queremos, nossa satisfação diminui e voltamos a ter o mesmo nível de bem estar anterior. E aí passamos a querer algo novo, o que nos faz precisar ficar sempre correndo atrás para na verdade não sair do lugar em termos de felicidade.

Você pode me perguntar: “bom, então não tem como eu me sentir melhor ou ser mais feliz?” É uma boa pergunta. O que acontece é que há uma forma de se viver melhor: mudando a nossa percepção sobre a vida. As mudanças internas, a forma como pensamos, como encaramos as adversidades e as conquistas podem ajustar o nosso nível geral de felicidade. Ou seja, a busca é voltada para dentro, não para fora.

Tudo isso também não quer dizer que seja errado ir atrás de conquistas materiais. É só ter consciência de que a felicidade não está nelas e que elas não poderão fazer com que sua satisfação com a vida seja alterada por muito tempo. Podemos encarar as perdas da mesma forma, o que pode ser animador. O importante é lembrar que as mudanças mais significativas e permanentes acontecem aí dentro de você.

Referência:
Brickman, P., & Campbell, D. T. (1971). Hedonic relativism and planning the good society. New York: Academic Press. pp. 287–302.

Pensamentos “tenho que”

Muitos aspectos da psicologia moderna convergem com ensinamentos da filosofia oriental. Tomemos por base o trecho de Ajahn Sumedho, monge budista:

Robb North
Robb North

Nosso sofrimento vem do apego que temos com ideais, e da forma complexa que criamos a respeito de como as coisas são. Nunca somos o que devemos ser de acordo com nossos ideais mais altos. A vida, os outros, o país em que vivemos, o mundo em que vivemos – as coisas nunca parecem ser o que deveriam. Tornamo-nos muito críticos de tudo e de nós mesmos: “eu sei que deveria ser mais paciente, mas eu não consigo ser paciente”… Veja todos os “devos” e “não devos” e os desejos: querer o agradável, querer se tornar algo ou se livrar do feio e do doloroso. É como se houvesse alguém atrás da cerca dizendo, “eu quero isto e não gosto daquilo”. As coisas devem ser deste jeito e não daquele jeito.” Use seu tempo para ouvir a mente reclamando; traga-a para a consciência.

Na psicologia cognitiva atual, defende-se que muitas das nossas dificuldades estão baseadas em percepções errôneas sobre o mundo. Essas percepções errôneas são chamadas de distorções cognitivas.

Uma das categorias dessas concepções erradas se refere justamente à “ditadura dos deveria”, quando pensamos que deveríamos fazer isso ou aquilo, ser de um jeito ou de outro, ou que as coisas deveriam ser desse ou daquele modo. Esse tipo de pensamento causa angústia, pois, obviamente, é impossível controlar a si mesmo e a todos para que tudo seja do jeito que acreditamos que deve ser.

Uma mudança de perspectiva envolve aceitar as coisas tais como são, inclusive nós mesmos. Quando entendemos a relação entre os eventos e como cada “coisa” é apenas uma contingência para outra, percebemos que o mundo ideal que imaginamos, ou a pessoa ideal que pretendemos ser é apenas uma fantasia que causa sofrimento. Quando condicionamos a nossa felicidade ao dia em que nos tornarmos tudo aquilo que queremos ser, na verdade estamos nos condicionando à infelicidade, porque tal estado é inatingível – e, mesmo que fosse possível, ainda assim não nos traria plenitude.

Aceitação

A liberdade é instantânea no momento em que aceitamos as coisas como elas são.

Karen Maezen Miller

Se pararmos para pensar por um momento, não é difícil perceber o quando ficamos lutando contra a natureza, contra outras pessoas ou nós mesmos, simplesmente pela necessidade de controlar tudo que acontece. Obviamente, é uma batalha perdida – mas que ainda assim empregamos constantemente nas nossas vidas.

Aceitar não significa não sentir: há o sofrimento inevitável quando passamos por algo ruim. Significa, na verdade, não querer se livrar daquilo a qualquer custo. Muitas vezes essa aversão causa mais sofrimento do que o fato em si. Tendo em mente que nada permanece, podemos ter uma atitude mais compassiva com as nossas próprias dificuldades.

Aceitar também não é igual à não reação. Devemos cuidar de nós mesmos e dos outros. Mas quando examinamos as situações de forma ponderada, podemos entender melhor quando devemos agir e quando há coisas cuja reação é infrutífera e causará mais dificuldades.

Na Terapia de Aceitação e Compromisso, a aceitação refere-se à convivência com os estados emocionais negativos, como tristeza, raiva, aversão, preocupação, incômodo. Se formos pensar, a maior parte dos problemas psicológicos residem na nossa incapacidade em lidar com tais sensações, que nos leva a querer controlar os aspectos da nossa vida que as provocam. Na ânsia de evitar o sofrimento, muitas vezes criamos as condições para que ele surja.

Quando entendemos que não somos obrigados a fazer nada, nem a reagir automática e freneticamente a tudo que sentimos ou vivenciamos, experimentamos uma sensação de paz. A liberdade verdadeira começa por aquela que nos permitimos ter.

Valorizando cada momento

Ligamos a TV e vemos uma série de promessas de produtos que permitem que façamos nossas atividades diárias de forma mais rápida. Você pode comprar um descascador de batatas e descascá-las em um décimo do tempo. Assim, dizem os anunciantes, você terá mais tempo para outras coisas.

Mas o que fazemos com o tempo que economizamos com a tecnologia? Basicamente, o ocupamos trabalhando mais ou nos entretendo com TV, cinema e outras distrações. Ter mais tempo livre não significa ser mais feliz. Ainda assim, consumimos e procuramos tudo aquilo que pode nos facilitar a vida ou poupar tempo, já que julgamos certas atividades como aversivas e buscamos preencher as nossas vidas o máximo com situações agradáveis e remover as desagradáveis.

Chegamos a pensar que estamos vivendo, de fato, apenas quando estamos nas situações agradáveis: quando viajamos, quando saímos com os amigos, quando estamos com alguém especial, ou numa festa. Quando temos essa percepção, a ideia é que todo o resto do tempo – a rotina, o trabalho, as tarefas domésticas, o trânsito – não é vida, e sim um hiato entre dois momentos de excitação. E aí, é muito fácil cair em depressão ou não ver sentido na vida quando permanecemos muito tempo nesses hiatos.

O fato é que tudo é vida, estejamos descascando batatas ou passeando em Paris. A sabedoria envolve viver o momento presente, seja ele qual for, não querendo estar em outro lugar ou fazendo outra coisa. Quando tentamos preencher nossa vida apenas com situações agradáveis, inevitavelmente sofreremos, pois mais cedo ou mais tarde elas terminarão. Quando aceitamos e contemplamos a beleza de todos os momentos da vida, sejam agradáveis ou desagradáveis, é possível ter paz.

Mindfulness (atenção plena)

Bindaas Madhavi
Bindaas Madhavi

Você já reparou como vivemos constantemente com uma narrativa interna? Estamos o tempo todo analisando o mundo conforme as coisas acontecem, remoendo o passado, projetando o que vai acontecer no futuro. É como se tivéssemos uma voz interna que nos disesse que isso é bom, aquilo é ruim, que nos devemos fazer a ou b.

Além disso, temos uma grande dificuldade em simplesmente estar no momento presente. Se estamos trabalhando, pensamos na hora de ir para casa; se estamos em casa, nos preocupamos com o trabalho do dia seguinte. Nos fins de semana, tememos as segundas-feiras; nas segundas-feiras, sonhamos com o fim de semana. Quando estamos num bom momento, sofremos ao pensar que ele terminará; se estamos num momento ruim, sofremos ao querer que ele termine.

Esses problemas não são novos: a ansiedade e as preocupações são características da natureza humana, de modo que as formas de combatê-las são apresentadas a milênios por filósofos e mestres espirituais — ou os psicólogos do passado. Uma dessas formas é o desenvolvimento de mindfulness. Mindfulness é uma palavra de origem inglesa que refere-se a estar alerta, presente e consciente e que, por sua vez, traduz um conceito de atenção plena originado em filosofiais orientais como o budismo.

Mindfulness é definido como estar atento ao momento presente, com aceitação. Ou seja, estar consciente do que ocorre tanto à sua volta como na sua mente — pensamentos, emoções, sensações — sem desejar que as coisas fossem diferentes. Ou seja, eu aceito e contemplo aquele momento, aquela situação, sem alimentar pensamentos de que eu gostaria de estar em outro lugar, com outra pessoa ou que algo diferente estivesse acontecendo.

Embora seja simples de explicar, desenvolver mindfulness é um treino para toda uma vida. Não é à toa que monges passam anos meditanto horas por dia buscando treinar o foco no momento presente.

Uma boa forma de começar é prestar atenção nos seus pensamentos, a qualquer momento. Veja se você consegue estar presente nas situações, se você está pensando em algo que está por vir ou remoendo os fatos do passado. Não se preocupe em mudar nenhum pensamento: apenas olhe para ele, sempre que você se lembrar, e o classifique: passado, presente ou futuro. Você provavelmente se surpreenderá ao perceber quanto tempo sua cabeça está atrás ou à frente do momento presente. Perceber isso é um dos passos iniciais para uma vida melhor.