A cura para os outros

Imagine um paciente indo ao médico e explicando o seu problema. O médico diz: “Muito bem, entendi os seus sintomas. Sabe o que vou fazer? Vou receitar um remédio para o seu vizinho!” O paciente responde: “Muito obrigado, doutor, já me sinto muito melhor.” Isso não é absurdo? Mas é o que todos nós fazemos. A pessoa que está adormecida sempre acha que se sentirá melhor se o outro mudar. Você sofre porque está dormindo, mas fica pensando: “Como a vida seria maravilhosa se o outro mudasse; como seria maravilhosa se meu vizinho mudasse, minha esposa mudasse, meu chefe mudasse.”

O trecho acima faz parte do livro Awareness, de Anthony de Mello. É uma dura verdade sobre a forma como vivemos e como encaramos os problemas. Nós tendemos a acreditar, quase sempre, que o problema está no outro. Se o outro não fosse como é, não teríamos problemas. Isso se aplica à forma como lidamos tanto com aqueles que amamos (nossa família, nossos amigos) como aqueles de quem não gostamos (o governo, o político, o outro que pensa diferente de mim).

Uma vez, minha esposa — que também é psicóloga — atendeu uma mulher que chegou ao consultório queixando-se de que o marido tinha um problema com o álcool. Aparentemente, ele, todas as noites, sentava-se sozinho com uma garrafa de vinho. Depois de algumas sessões ouvindo os lamentos da mulher, minha esposa, cuidadosamente, disse: “Seu marido não tem um problema com o álcool. Quem tem problema com o álcool é você.” A mulher se surpreendeu com a resposta, mas a partir daí passou a refletir. E então, passou a considerar o que ela queria fazer com a situação dela, em vez de esperar uma mudança por parte do marido.

Aquilo que os outros fazem nos machuca. Mas isso só acontece porque nós brigamos com a realidade. Nós esperamos que o outro seja qualquer coisa que ele não é. Nós criamos uma expectativa — muitas vezes baseadas em preceitos morais — de que o outro deveria agir dessa ou daquela maneira e que é um absurdo que ele não o faça. E gastamos uma boa dose de energia e tempo, às vezes anos, esperando que as coisas se encaixem nessa fantasia que criamos.

É comum acharmos que se encararmos e aceitarmos a realidade tal qual ela é, cairemos numa espécie de resignação ou desistência. Afinal de contas, existem coisas que nos parecem inaceitáveis. Mas o que acontece é justamente o contrário. Enquanto estamos negando a realidade e criando histórias sobre o que ela deveria ser, ficamos paralisados. Quando paramos de negar, podemos, finalmente, agir.

 

Foto: Jacek Dylag

4 Comentários

Deixe uma resposta