Onde você busca a felicidade?

Hamster in a wheelVocê já viu um rato andando numa roda como esse aí do lado? Não importa o quão rápido ele corra, ele nunca sairá do lugar. Talvez você se surpreenda em saber que alguns pesquisadores acreditam que a felicidade e o bem estar funcionem de forma semelhante.

Brickman e Campbell (1971) criaram a teoria da “esteira hedônica”, ou seja, uma ideia de que não importa o que aconteça na sua vida, o seu nível de felicidade sempre voltará para mais ou menos o mesmo lugar. Você pode adquirir alguma deficiência física ou ganhar na loteria, mas depois de algum tempo, seu nível de satisfação será o mesmo de antes desse evento acontecer.

Uma coisa que costumamos fazer com frequência é condicionar a nossa felicidade a um evento futuro. Geralmente pensamos da seguinte forma:

Serei feliz quando…
…encontrar aquela pessoa especial
…conseguir um novo emprego
…mudar de cidade
…ganhar mais dinheiro

Buscamos, então, atingir esses objetivos, que nos trará o tão sonhado bem estar. E o que percebemos? Que, na maior parte das vezes, mesmo quando conseguimos o que queremos, nossa satisfação diminui e voltamos a ter o mesmo nível de bem estar anterior. E aí passamos a querer algo novo, o que nos faz precisar ficar sempre correndo atrás para na verdade não sair do lugar em termos de felicidade.

Você pode me perguntar: “bom, então não tem como eu me sentir melhor ou ser mais feliz?” É uma boa pergunta. O que acontece é que há uma forma de se viver melhor: mudando a nossa percepção sobre a vida. As mudanças internas, a forma como pensamos, como encaramos as adversidades e as conquistas podem ajustar o nosso nível geral de felicidade. Ou seja, a busca é voltada para dentro, não para fora.

Tudo isso também não quer dizer que seja errado ir atrás de conquistas materiais. É só ter consciência de que a felicidade não está nelas e que elas não poderão fazer com que sua satisfação com a vida seja alterada por muito tempo. Podemos encarar as perdas da mesma forma, o que pode ser animador. O importante é lembrar que as mudanças mais significativas e permanentes acontecem aí dentro de você.

Referência:
Brickman, P., & Campbell, D. T. (1971). Hedonic relativism and planning the good society. New York: Academic Press. pp. 287–302.

Deixe uma resposta