Transtornos mentais são doenças?

Alexander Gref
Alexander Gref

Depressão, ansiedade, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, esquizofrenia, transtorno bipolar, transtorno de personalidade antissocial. Esses nomes fazem parte do nosso cotidiano, seja porque já fomos diagnosticados com um desses quadros ou porque conhecemos alguém que já foi. Mas o que se chama de transtorno mental? Como funciona o seu diagnóstico e tratamento?

Antes de mais nada, precisamos ententer qual é a visão médica sobre o funcionamento do organismo humano. Dentro dessa visão, o ser humano tem um funcionamento normal esperado. Quando o funcionamento sai desse normal, existe o que se chama de uma doença, que é identificada por sinais e sintomas, por sua vez esclarecidos por exames e pela fala do paciente. O processo de diagnóstico tem como objetivo identificar a doença — tendo como base um catálogo pré-estabelecido — a fim de realizar o tratamento. Tratar significa remover a doença para que o organismo volte a funcionar normalmente.

Esse modelo está presente em todas as áreas da medicina, incluindo a psiquiatria. Embora ele possa funcionar bem quando estamos falando de uma infecção ou um câncer, quando se trata de saúde mental, as coisas mudam. Primeiro, porque você não consegue diagnosticar uma depressão, por exemplo, através de um exame, como aconteceria em qualquer outra área da medicina. O diagnóstico é feito quase exclusivamente a partir do relato do paciente. Isso torna o processo extremamente subjetivo, tanto do lado do paciente como pelo do médico.

O segundo problema é que há muita discussão sobre as características dos quadros. Existe um manual que descreve quais os sintomas que definem um determinado problema. Esse manual é chamado de DSM (American Psychiatric Association, 1994). De tempos em tempos os especialistas em saúde mental se reúnem para elaborar uma nova versão do DSM. Neste mês, o DSM-5, a quinta edição do manual, será publicada, depois de quase vinte anos de existência da quarta edição. Há diferenças entre os critérios para diagnosticar certos quadros entre uma edição e outra, o que mostra como o conceito de doença mental ainda está em evolução. Um reflexo disso é o fato de ser comum que psiquiatras diferentes atribuam diagnósticos diferentes a uma mesma pessoa.

Em um congresso internacional de saúde mental no ano passado, assisti a um debate que tratava justamente da concepção do DSM-5. Alguns psiquiatras criticavam o fato de quase metade da população se enquadrar em algum critério diagnóstico de doença mental ao longo da vida. Será que não se estaria diagnosticando gente perfeitamente normal como apresentando uma doença? Como houve um aumento no número de doenças catalogadas no DSM-5 em comparação com o DSM-IV, parece que essa tendência se exacerbou.

Por conta dessa característica de poder fazer um diagnóstico e prescrever uma medicação apenas com base no relato do paciente, o interesse da indústria farmacêutica na psiquiatria é enorme. É conveniente para a indústria que as dificuldades naturais da vida sejam vistas como problemas médicos, pois isso ajuda a vender mais remédios. Basta olhar para como hoje se controlam as crianças mais agitadas, que dão trabalho na escola, através de ritalina.

Não é a toa que existem autores que dizem que a doença mental é algo que simplesmente não existe — movimento marcado pela posição de Szasz (1961), para quem a doença mental é um mito. Há um argumento de que esse modelo tradicional de medicina não funciona para a saúde mental, por considerar inadequada a concepção, por exemplo, que a depressão é uma doença que precisa ser removida do indivíduo, tal qual um tumor.

Na minha prática enquanto psicólogo, grande parte do trabalho é fazer com que as pessoas consigam lidar melhor com as dificuldades inerentes da vida: as tristezas, angústias, dificuldades nos relacionamentos etc. Esforço-me para olhar para a situação de uma forma ampla, entendendo os sinomas, a história, o ambiente e as circunstâncias da vida de cada pessoa para entender melhor o que está acontecendo. Considerando todos esses aspectos, fica mais fácil perceber que, quase sempre, aquilo que a pessoa está sentindo no momento faz algum sentido. As pessoas ficam tristes e desmotivadas quando se deparam com perdas e frustrações. Isso é uma reação normal, não uma doença. No entanto, nos dias de hoje temos dificuldade em perceber o sofrimento como algo natural, que é tão parte da vida quanto respirar.

Isso não impede que muitas das pessoas que eu atendo façam acompanhamento psiquiátrico e tomem medicações. Em muitas vezes, eu sugiro que elas procurem um psiquiatra. Não dá para não recomendar isso a uma pessoa que tenha uma depressão severa com risco de suicídio, por exemplo. Converso com psiquiatras que atendem meus pacientes sobre como trabalharmos juntos. E reconheço que a medicação pode ser muito útil para ajudar a psicoterapia. Uma pessoa com um nível de ansiedade muito alto, por exemplo, pode não conseguir fazer as coisas que combinamos na sessão e que são importantes para que ela viva melhor. Nesses casos, baixar um pouco a ansiedade temporariamente com um medicamento potencializa e agiliza os resultados da psicoterapia.

Se por um lado o conceito de doença mental de fato é questionável, por outro não se pode deixar de lado os avanços da medicina e da psiquiatria para que as pessoas possam viver melhor, especialmente nos quadros graves. É preciso bom senso para decidir o que é de fato um problema que precisa de intervenção medicamentosa e o que é uma reação normal às circunstâncias da vida. Havendo esse bom senso, pode-se usar os recursos existentes para quem realmente precisa e não ter os medicamentos como uma saída fácil para o menor desconforto.

Referências
American Psychiatric Association. (1994). Diagnostic and statistical manual of mental disorders: DSM-IV. American Psychiatric Publishing, Inc..
Szasz, T. S. (1961). The uses of naming and the origin of the myth of mental illness. American Psychologist, 16(2), 59-65. doi: 10.1037/h0040842

Deixe uma resposta