Comendo uma tangerina

Na minha prática clínica, gosto de usar histórias, metáforas e outros recursos para ilustrar alguns conceitos. O legal de fazer isso é poder tomar emprestado o material de pessoas bastante sábias e que entendem a condição humana de uma maneira mais palatável — e por vezes mais precisa — do que as teorias psicológicas. O trecho abaixo é um dos meus preferidos, pois fala, de forma breve e contundente, sobre estar no presente, mindfulness e aceitação.


Comendo uma tangerina

Tenho uma lembrança de anos atrás, quando Jim e eu estávamos viajando através dos Estados Unidos pela primeira vez e nos sentamos sob uma árvore para dividir uma tangerina. Ele começou a falar sobre o que estaríamos fazendo no futuro. Sempre que pensávamos sobre um projeto que parecia interessante ou inspirador, Jim ficava tão imerso naquilo que ele literalmente se esquecia do que estava fazendo no presente. Ele colocou um gomo de tangerina na boca e, antes mesmo de começar a mastigá-lo, já tinha outra fatia pronta para colocar na sua boca novamente. Ele nem percebia que estava comendo uma tangerina. Tudo que tive de dizer foi, “Você deveria comer o pedaço de tangerina que já está na sua boca”. Jim percebeu o que estava fazendo. Era como se ele nem estivesse comendo a tangerina. Na verdade, ele estava “comendo” seus planos futuros.

Uma tangerina tem gomos. Se você consegue comer apenas um gomo, consegue provavelmente comer a tangerina inteira. Mas se você não consegue comer um gomo, não pode comer a tangerina. Jim compreendeu. Ele lentamente abaixou sua mão e focou na presença da fatia que já estava na sua boca. Ele a mastigou conscientemente antes de alcançar outro gomo. Tempos depois, quando Jim foi preso por atividades contra a guerra, me preocupei se ele aguentaria as quatro paredes da prisão e lhe enviei uma carta muito curta: “Você se lembra da tangerina que dividimos quando estávamos juntos? Você estar aí é como a tangerina. Coma-a e seja um com ela. Amanhã ela não será mais.”

Thich Nhat Hanh — The Miracle of Mindfulness

Deixe uma resposta